sábado, 28 de agosto de 2010

Quatro coisas pequenas, porém mais sábias que os sábios


Salomão filho do Rei Davi é considerado o autor da maior parte da literatura proverbial. Quando ele era rei de Israel, ele reinou por 40 anos, e diz a Bíblia que ele era um homem de muita sabedoria. Só para termos uma noção da sabedoria que Deus deu a Salomão, a bíblia diz em (1Rs 4.30) que Salomão no seu tempo era o homem mais sábio do oriente e também possuía sabedoria maior que a sabedoria dos egípcios. Veja bem, cerca de 3000 provérbios e 1005 cânticos são atribuídos a Salomão.


E nós sabemos irmãos por revelação da palavra que sabedoria é a capacidade de julgar prudentemente e agir corretamente. Portanto se desejamos obter sabedoria de Deus para nossas vidas nós precisamos de duas coisas:

1)      Pedir a Deus que nos concede liberalmente (Tg 1.5)
2)      Conhecer os provérbios que nos foram revelados (Pv 1.5,6)

E deixa eu lhe dizer o que são provérbios:

Þ      Provérbios são na realidade ditados da sabedoria divina aplicados a vida diária do povo de Deus.

Þ      Podemos dizer também que provérbios também são declarações simples, porém vigorosas, tiradas da vida diária e usadas como normas práticas para uma vida bem-sucedido

Þ      Se fossemos resumir o que são provérbios, diríamos o seguinte: “provérbios são leis do céu para uma vida de sabedoria espiritual na terra”.

E se desejamos também conhecer o objetivo dos provérbios, basta que entendamos o seguinte: “o objetivo de provérbios é que homens e mulheres possam conhecer a sabedoria que vem de Deus e permitir que ela nos governe a vida (Pv 1.1-7).

No texto que lemos no capítulo 30 deste livro, nós encontramos provérbios de um homem chamado Agur, filho de Jaque de Massá. Não se sabe muita coisa sobre este homem. Alguns dizem que ele seria um não-israelita porém com um conhecimento do Deus verdadeiro. Fato é que as palavras de sabedoria desse homem, foram anexadas a literatura proverbial. E se isso aconteceu é porque nós devemos ter consideração e ponderação na hora de analisarmos suas sábias palavras.

Þ      Interessante que Agur no início de suas palavras, ele se mostra intensamente desejoso de conhecer a Deus (Pv 30.2,3). E a partir daí ele começa a refletir sobre diversas coisas que devemos fazer para obedecer a Deus e conhecer mais a Ele. E dentro dessas sábias palavras, nós encontramos seis grupos dos chamados ditados numéricos, ou poderíamos dizer seis grupos de  quatro coisas:

Þ      Ele fala de 4 classes de pessoas (Pv 30.11-14)
Þ      Ele fala de 4 coisas insaciáveis (Pv 30.15,16)
Þ      Ele fala de 4 coisas maravilhosas demais (Pv 30.18,19)
Þ      Ele fala de 4 coisas intoleráveis para a terra (Pv 30.21-23)
Þ      Ele fala de 4 coisas pequenas demais (Pv 30.24-28)
Þ      Ele fala de 4 coisas graciosas (Pv 30.29-31)

E desses seis ditados numéricos, me chamou a atenção as palavras de Agur quando ele fala que existem quatro coisas pequenas demais,  porém mais sábias que os sábios. E eu gostaria de refletir com os irmãos sobre isso. Por que consigo enxergar nas palavras de Agur profunda sabedoria espiritual para nosso viver diário com Deus:

1-      As FormigasPovo sem força, todavia no verão preparam a sua comida

As formigas são insetos que vivem em sociedade. São insetos inofensivos. E são admiradas por seu intenso trabalho e sua administração equilibrada.

Eu me perguntei: porque não somos assim?

Reflita: Será que nós como povo de Deus temos trabalhado juntos pelo Reino de Deus? Ou nos separamos por causa da inveja que temos do irmão ou até mesmo da nossa ira incontrolada. Ou quem sabe nos separamos porque queremos que o nosso trabalho seja visto pelo pastor e não o do irmão. Quem sabe queremos espalhar e não ajuntar. O interessante é que nós temos a força do Senhor e as formigas é povo sem força.

Reflita: Será que como cristãos temos sido como crianças (inofensivos) – precisamos ser assim para entrar no Reino de Deus. “ Bem-aventurados os limpos de coração porque verão a Deus”. Santidade de vida é vontade do Senhor para nós.

Reflita: Nós como cristãos vivemos como as formigas que preparam e ajuntam a sua comida no verão para comerem no inverno? Ou seja, nós buscamos nos alimentar da Palavra de Deus que é a nossa fonte de alimento espiritual para quando chegar os dias ruins, as tribulações, as aflições, estarmos firmes no Senhor? (Pv 6.6).

2-      Os Arganazes (coelho, rato silvestre) – Povo não poderoso, contudo fazem a sua casa nas rochas

Ø  Os arganazes são encontrados na Europa. São maiores que as ratazanas, porém não possuem poder algum e mesmo assim constroem as suas casas nas rochas.

Reflita: Nós sabemos que somos mais que vencedores, sabemos que as promessas de Deus são para nós, sabemos que se sete vezes nós cairmos, Deus nos levantará, sabemos que somos abençoados pelo Senhor, ou seja, somos um povo poderoso. Mas não construímos nossa casa sobre a rocha. Sabe o que é construir a casa sobre a rocha, é a evidência explícita da prática da palavra de Deus. Os arganazes mesmo não sendo poderosos, eles constroem sobre a rocha, e nós muitas vezes não nos atentamos para isso (Mt 7.24-27).

3-      Os Gafanhotos – Não têm rei, contudo marcham em bandos

O gafanhoto é tido como um inseto saltador e alimentam-se exclusivamente de vegetais. Se pousar sobre uma plantação uma nuvem de gafanhoto, tudo é devastado em poucas horas. Lembra da 8ª praga em Êxodo 10. O gafanhoto é tão devastador que em Joel cap. 1 ele é comparado com o juízo de Deus sobre o povo.

Os gafanhotos devastam sem possuir um líder que os governe, e fazem tudo isso juntos sem que se esbarrem ou se percam pelo caminho.

Reflita: Nós andaríamos juntos se não tivéssemos um líder sobre nós? Respeitaríamos o espaço do outro em companheirismo e amor? Ajudaríamos nosso irmão, mesmo que ninguém nos dissesse? Quando o irmão não pudesse mais prosseguir na jornada, você o ajudaria ou chamaria seu líder?

A bíblia diz que nós devemos nos amar, nos perdoar, nos suportar, nos ajudar, nos considerar menor do que o irmão. Devemos ter o mesmo pensamento, sermos unidos de alma e ter um mesmo sentimento, em suma devemos viver como uma comunidade fraterna em Cristo.

Sabe o que eu acho tremendo? É que os gafanhotos não se esbarram, eles se ajudam no que for preciso para seguirem num só propósito. Ajudam-se para irem juntos pelo e para o mesmo caminho (e isto em bando).

4-      O Geco (lagartixa) – Que se apanha com as mãos , contudo está nos palácio dos reis

Ø  Interessante também o Geco, é pequeno, conseguimos apanhá-lo com as mãos, contudo está no palácio dos Reis.

Diz a bíblia que Deus abate os soberbos e exalta os humildes. Diz a bíblia que os humilhados serão exaltados. Já percebeu que a bíblia por diversas vezes condena aqueles que se consideram “ALTOS DEMAIS”, os avarentos, os jactanciosos, os orgulhosos que possuem altivez no coração, os que se acham alguma coisa e não são?

Lembra que Jesus sempre dava uma cacetada nos religiosos (fariseus, saduceus, escribas), nos hipócritas, nos que possuíam capa de santidade. Naqueles se consideravam grandes para Deus.

Reflita: Precisamos ser pequenos como o Geco. “a sabedoria mora com gente humilde”. Precisamos perder para ganhar, precisamos entrar pela porta estreita para herdar o Reino, precisamos dar a outra face, precisamos nos rebaixar, precisamos ser misericordiosos, precisamos servir ao invés de sermos servidos. Resumindo, se formos pequenos como o geco estaremos no alto do palácio, do palácio do Rei Jesus. Estaremos sempre perto do Rei.

Como pode quatro coisas insignificantes nos ensinarem tantas coisas, não é verdade?

Porque nós que somos significativos para Deus não aprendemos de Cristo, vivendo intensamente por Cristo para ensinarmos aos outros sobre Cristo.

Quatro coisas pequenas demais, porém mais sábias que os sábios! Quem é você? A formiga, o Arganaze, o Gafanhoto ou o Geco.

Que Deus te abençoe rica e abundantemente,

Pr. Flavio Muniz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conteúdo de qualidade

Palavra de Nova Vida - Pr. Flavio Muniz

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...