sexta-feira, 6 de maio de 2011

Crescendo na devoção

Para sua reflexão, Leia (Lc 7.36-50).

Devoção – sentimento religioso, prática religiosa, dedicação íntima, objeto especial de veneração, afeto.


Eu penso que a nossa devoção a Deus, é como uma plantinha de nosso jardim. Para que esta plantinha cresça, eu preciso a deixar  pegar sol, colocar água, retirar as impurezas da terra na qual ela está, ou seja, para que ela cresça, eu preciso cuidar. E a nossa devoção a Deus não é diferente, para que ela cresça e dê frutos eu preciso cuidar. Porém, de que forma eu preciso cuidar?  Eu respondo a você: Sendo disciplinado, sendo perseverante, sendo cuidadoso, zeloso, vigiando em todo tempo.

A verdade é irmãos que para cuidar de nossa vida devocional para com Deus, é algo que dá muito trabalho. Nós estamos sempre muito ocupados, os nossos afazeres são mais importantes, e afinal de contas nós trabalhamos muito e quando chegamos em casa nós estamos muito cansados. A grande realidade, é que muitos cristãos deixam de crescer na sua devoção a Deus, até mesmo porque já entraram no “tédio religioso”, e esse sempre foi um dos maiores inimigos do cristão no que se refere a sua vida espiritual.

Você sabe o que é o tédio? O tédio é um estado mental resultante do esforço para manter interesse por uma coisa pela qual não temos o mínimo interesse.  Ex: eu preciso orar, mais não estou afim. Eu preciso ler as Escrituras, mas não estou afim. Etc.

Já parou para se perguntar, porque você perdeu o interesse pela oração? Pela leitura da Palavra? Pelo prazer de estar na igreja?

Quando não temos nossa vida devocional edificada com raízes profundas, os frutos não aparecem, e se os frutos não aparecem, nós corremos o risco de ficarmos entediados e emergidos em um grande marasmo espiritual.

E a pergunta que nos vem à mente é: que atitudes eu devo tomar para que a minha vida devocional seja edificada sempre? Quais devem ser as motivações de meu coração, para que eu tenha uma vida devocional constante e proveitosa?

O texto supracitado nos mostra uma personagem que nos ensina muito sobre o que é a verdadeira devoção para com Deus. Nos mostra quais devem ser as motivações corretas de nossos corações para nos relacionarmos diariamente com Deus.

(Leia Lucas 7) Lá você encontra uma curiosidade: Cada evangelista conta um caso de uma mulher que ungiu os pés de Jesus, mas o caso que Lucas conta não é o mesmo.

Mateus, Marcos e João – contam o caso de Maria e o local é betânia.
Lucas – fala de uma mulher pecadora, e o local é Naim.

Quem são os personagens deste texto?

Jesus – O Senhor, o profeta, a sua fama corria por toda a cidade de Naim.

Simão – O fariseu, uma das maiores seitas dos judeus, que significa “separados”. Pregavam a observância as leis e as tradições. Eram estritamente religiosos frios e sem sentido.

A mulher pecadora – Era prostituta de Naim, se prostou aos pés de Jesus chorando, e com lágrimas regava os pés de Jesus. Ela os enxugava com os seus próprios cabelos, ela também beijava seus pés e os ungia com o ungüento (bálsamo) – era importado de Gileade.

Entenda o panorama do texto

1)      Simão convida Jesus para jantar (vs 36)
2)      A mulher pecadora soube disso, foi lá e se prostrou,  pegou um vaso de alabastro com unguento (vs37)
3)      Prostrada, chorava aos seus pés, e enxugava com os cabelos, beijava seus pés e ungia com o ungüento (perfume) (vs 38)
4)      O fariseu ao ver isso, questiona o ofício profético de Jesus (vs 39)
5)      Jesus conta ao fariseu, uma parábola (vs 40-43)
6)      Jesus faz uma comparação de ações entre Simão e a Mulher pecadora (vs 44-46)
7)      Jesus dá sentido a verdadeira interpretação da parábola (vs 47)
8)      Jesus perdoa os seus pecados pela fé que ela possuía, e ela ainda sai em paz (48-50)

(Lc 7.37,38) – A atitude daquela mulher manifestou seu amor por Jesus, pela sua ação. A mulher de má fama, prostituta, sem dizer palavra alguma provou o seu amor com uma oferta preciosa, como um sacrifício de ações de graças, e ela nem mesmo o conhecia.

ü  O amor dela por Jesus foi manifestado pela ação. Ela se rendeu totalmente.
ü  Seu ato foi uma expressão de gratidão pela aceitação e amor que ela havia encontrado.
ü  A atitude daquela mulher indica humildade, indica senso de indignidade diante de alguém puro, santo e bom.
ü  Aquela mulher temeu a Jesus, ela beijou seus pés – indicando muito temor.

(Lc 7.39) – O fariseu (religioso) questionou o oficio profético de Jesus. Um religioso que dá prioridade a tradições e cerimônias se torna alguém sem compaixão das pessoas. Simão não teve tolerância com a prostituta.

(Lc 7.40-43) – Jesus conta uma parábola. Demonstrando que Simão era o devedor dos cinquenta e a mulher pecadora o devedor dos quinhentos denários. Com isso, Jesus ensinou que aquela mulher tinha muitos pecados, e se foram perdoados, ela iria amar muito a quem muito a perdoou.

(Lc 7.44-46) “vês esta mulher” – Simão não notou a mulher, porque julgou que ela era muito baixa (devassa,depravada) para ser notada, por isso ele a desprezou. Mais na realidade ele também desprezou a Jesus, por não ter oferecido a ele as honrarias daquela época. Sua atitude demonstrou isso.

Simão demonstrou ser indiferente com o seu hóspede, era um péssimo hospedeiro.


SIMÃO

A MULHER PECADORA
Não lavou os pés de Jesus com água, por causa da poeira, nem secou com a toalha.
Regou os pés de Jesus com lágrimas e enxugou com os cabelos. (arrependimento, humilhação, humildade)
Não deu um beijo de saudação (ósculo)
Não parou de beijar seus pés, desde que entrou (temor)
Não ungiu sua cabeça com óleo, que significa gesto de honra para os visitantes
Ela com o bálsamo precioso, ungiu seus pés. Derramou perfume. (adoração)

 O exemplo de uma vida devocional

1)      Regou seus pés com lágrimas, lavava seus pés e os enxugava com os cabelos - A mulher demonstrou ser uma serva arrependida, humilde e humilhada (soltar os cabelos daquela forma era grande vergonha).

Ela se arrependeu – ela sentiu um pesar pelas coisas que fazia e voltou atrás. Arrependimento – é o sentimento de pesar por faltas cometidas ou por um ato praticado que gera mudança de atitude.

Ela foi humilde – ela foi submissa. Humildade é uma virtude como que manifestamos o sentimento de nossa fraqueza ou de nosso pouco ou nenhum mérito. “Bem aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus” (Mt 5.3)

Ela se humilhou – humilhar significa se rebaixar moralmente.

2)      Pois não parava de beijar seus pés – Aquela mulher demonstrou um temor por Jesus que Simão não tinha. Temor é um sentimento de reverência e respeito santo. “A Bíblia diz que o temor do Senhor é o princípio da sabedoria”. “Eis que os olhos do Senhor estão sobre os que o temem sobre os que esperam na sua misericórdia” (Sl 33.18)

3)      Com bálsamo precioso ela ungiu seus pés -  Ela entrou com seu frasco de alabastro pendurado no pescoço, cheio de perfume. Aquilo representava todas as suas economias (equivalia a trezentos denários). Diante disso podemos dizer que aquela  mulher adorou a Jesus.

Adorar - Está ligado a nossa atitude de cultuar, que deve ser a expressão de um coração sincero e verdadeiro. Adorar é render-se completamente, é servir, é ações de graças, é ofertar tudo o que temos.

Quais tem sido as suas motivações em sua vida devocional? Você tem tomado as atitudes corretas com relação a sua vida devocional?

Pr. Flavio Muniz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conteúdo de qualidade

Palavra de Nova Vida - Pr. Flavio Muniz

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...