quarta-feira, 12 de outubro de 2011

A Paz do Senhor


“O SENHOR te abençoe e te guarde;  o SENHOR faça resplandecer o rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti; o SENHOR sobre ti levante o rosto e te dê a paz”. (Nm 6.24-26)

Paz! Paz! Paz! Poucas palavras são tão repetidas quanto esta em nossos dias, diante de guerras, revoluções, discórdias políticas, violência urbana, desunião familiar e diferenças étnicas. Todos a desejam, dela muito se fala e se escreve, e por toda parte os homens viabilizam meios para alcançá-la. Paz é algo que , todos querem, poucos a buscam, alguns a encontram e milhares desprezam!

Mas, quem sabe dizer precisamente o que é Paz? Para uns, ela consiste na ausência de qualquer confronto, físico ou ideológico. Para outros, viver em paz supõe fugir da realidade em busca de um suposto equilíbrio de espírito, alheio ao que se passa ao seu redor. Não faltam também aqueles que a identificam, com o silêncio, a segurança ou a busca da harmonia interior e com o cosmos.  Esses apesar de serem conceitos parciais sobre a paz, não deixam de ser nobres. Contudo, quando olhamos para a Bíblia vemos que todos esses conceitos que brotam de um desejo sincero do ser humano, apesar de nobres, se desviam do real significado dessa virtude fundamental para o homem criado por Deus e para a sociedade.

O homem vive a procura de uma Paz verdadeira, de uma paz perfeita, de uma paz que possa satisfazer todos os seus anseios espirituais, existenciais e porque não dizer sociais. Mas, ao que parece o homem procura algo que não conhece ou que nunca experimentou. A sabedoria popular costuma a dizer: "quem não sabe o que procura, não sabe o que encontra".

Paz (latim pax, pacis) - Quietação de ânimo. Sossego, descanso, tranqüilidade de alma. Ausência de guerra, de dissensões, de lutas, de conflitos entre pessoas.  Boa harmonia, Concórdia, reconciliação.

Porém essa palavra PAZ, que encontramos nesta bênção sacerdotal (Nm 6.24-26), é a tradução da palavra hebraica: SHALOM. Na verdade, no hebraico, essa palavra toma dimensões maiores do que a nossa tradução para a palavra Paz no português. Shalom denota muito mais que sossego ou ausência de guerra e conflito. O significado básico de Shalom é harmonia, plenitude, contentamento, firmeza, bem-estar e êxito em todas as áreas da vida como também paz entre os homens. E o interessante é que Shalom em seu sentido último é salvação.

Já no grego a palavra Paz é “Eirene”, que significa uma tranqüilidade de coração e mente baseada na convicção de que está tudo bem entre a alma do homem e o seu criador. Ela significa um estado de descanso e satisfação proporcionado por Deus (“Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou” – Jo 14.27). Eirene significa as relações harmonizadas entre Deus e os homens que foram satisfeitas pelo Evangelho (At 10.36; Ef 2.17). Ou estar unido com Deus através do Evangelho.

Hoje, lamentavelmente, quantos neste mundo dariam tudo o que possuem para preencher o vazio que sofrem na alma em troca de um pouco de paz. Mas, a paz que procuram não a encontrarão nas gôndolas dos supermercados, na banca de jornal, e nem mesmo nas lojas de conveniência, porque a paz verdadeira nós não podemos comprá-la com dinheiro. A paz verdadeira é a paz que Jesus Cristo transmite proporcionando ao homem descanso e satisfação por uma inundação de gozo celestial (Eirene). No mundo não há paz, ainda que alguns pensem que a possuam. A paz do mundo é fingida, é moldada por uma falsa sensação de bem-estar e descanso, é suscetível aos dardos inflamados do maligno, mas a Paz de Cristo é um chamado a uma paz indizível e insubistituível. “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados e eu vos aliviarei”. (Mt 10.27).  

Foi na cruz que o Senhor Jesus levou sobre si todas as nossas angústia, aflições e tribulações. Ele levou sobre si as nossas dores, cravou na cruz o pecado do mundo, e nos deu a sua Paz, e ainda nos ofertou a vida eterna. “Ele foi ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a Paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras, fomos sarados”. (Is 53.5).

Sendo Deus o único Ser capaz de saciar o apetite de paz do homem, e uma vez que a ordem da criação foi instituída por Ele, podemos concluir não existir paz sem o Criador, pois ela comporta uma exigência moral que tem íntima relação com Deus. A paz verdadeira é de ordem transcendental, é de ordem teologal. Para o cristão, a paz representa muito mais do que a simples inexistência de luta armada. Ela "não é ausência de guerra, muito menos um simples espairecer de mente. Ela também não é um descanso programado de férias ou uma aparente tranqüilidade de alma. Ela também não é um tom de harmonia que foi dado por colocarmos tudo em ordem em nossa vida.
A paz verdadeira vem de Deus e brota de uma fé sincera que confia e repousa em Deus em todos os seus aspectos. A paz verdadeira que o homem busca, ele somente a encontra em Jesus Cristo, o Príncipe da Paz.

Tomás de Aquino disse: "A verdadeira paz não pode existir senão com o desejo de um bem verdadeiro, porque todo mal, mesmo sob a aparência de bem pela qual satisfaz parcialmente o apetite, encerra muitas deficiências, e por causa delas o apetite permanece inquieto e perturbado. A verdadeira paz, portanto, só pode existir no bem e entre os bons. Logo, a paz dos maus é aparente e não verdadeira.”

Eu quero compartilhar com você, como a bíblia descreve esta paz?

1 - Esta paz foi prometida por Deus -      “Porque os montes se retirarão, e os outeiros serão removidos; mas a minha misericórdia não se apartará de ti, e a aliança da minha paz não será removida, diz o Senhor, que se compadece de ti”.  (Is 54:10).

A paz prometida por Deus se revela em Cristo, pois foi Ele que na cruz selou esta aliança de paz com o seu sangue. Cristo nos reconciliou com Deus e por isso nossa alma está em Paz (Eirene) com Deus (o criador). Não nos sentimos mais culpados e sim perdoados, reconciliados, em paz com Deus. “e que, havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele, reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra, quer nos céus”. E a vós outros também que, outrora, éreis estranhos e inimigos no entendimento pelas vossas obras malignas, agora, porém, vos reconciliou no corpo da sua carne, mediante a sua morte, para apresentar-vos perante ele santos, inculpáveis e irrepreensíveis” (Cl 1.20-22).

2 – É uma paz divina e não humana encontrada somente em Jesus - “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize”. (Jo 14.27)

A paz de Deus não é a paz de cemitério. Não é ausência de problemas. Essa paz não é produzida por circunstâncias. O mundo não conhece essa paz nem pode dá-la. Governos humanos não podem gerar essa paz. Essa paz vem de Deus. Podemos estar enfrentando uma grande luta, mas sabemos que a paz verdadeira está dentro de nós. Não é uma paz meramente exterior e passageira, ou a paz artificial dos antidepressivos, das férias ou da ausência de problemas, mas a paz que brota do coração daquele que morreu na cruz. A paz que somente Jesus dá é capaz de transmitir ânimo e fazer superar as piores circunstâncias e tormentas da vida, por isso não se turbe o vosso coração e nem se atemorize.
“Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo”. (João 16:33) 

3 – É uma paz que foi dada como benção - “O Senhor dá força ao seu povo,  o Senhor abençoa com paz ao seu povo. (Sl 29:11)

Para os perversos, diz o meu Deus, não há paz. (Is 57.21), pois os pervesos estão em pecado, e o pecado não pode produzir paz, pois ele produz morte espiritual. Aquele que vive na inimizade com Deus não tem como ter paz. O Deus santo mostra a sua ira contra os que não crêem no Filho: “Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus”. (Jo 3.36). Onde permaneça a ira de Deus, não pode existir paz. Mas, sobre aqueles que estão em Cristo repousa a Paz divinal prometida por Deus em sua Palavra. A benção da paz é para todos os que estão em aliança com o Princípe da Paz.

4 – É uma paz transmitida pela Palavra que não nos deixa tropeçar – “Grande paz têm os que amam a tua lei; para eles não há tropeço”. (Sl 119.165)

O homem somente encontrará segurança e alívio para alma se estiver disposto a ouvir e a crer na Palavra de Deus. Em meio ao medo, ao caminhar pelo vale da sombra da morte, ao se deparar com seu tropeço gerado pelo pecado, a Palavra de Deus se mostra fiel em transmitir paz a todos quantos a amam.

5 – É uma paz que transcende o entendimento humano – “Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus”. (Fp 4.6-7) 

O mesmo coração que estava cheio de ansiedade , pela oração agora está cheio de paz. Dr. F.F. Bruce diz que: “a paz de Deus pode significar não apenas a paz que Ele mesmo concede, mas a serenidade em que o próprio Deus vive: Deus não está sujeito à ansiedade”.

 Essa paz é transcendente. Ela vai além da compreensão humana. A despeito da tempestade do lado de fora, podemos desfrutar bonança do lado de dentro. Ela coexiste com a dor, com as lágrimas, com o luto e com própria morte. Essa é a paz que os mártires sentiram diante do suplício e da morte. Essa é a paz que Paulo sentiu ao caminhar para a guilhotina, dizendo: “a hora da minha partida é chegada. Combati o bom combate, completei a carreira e guardei a fé. Agora, a coroa da justiça me está guardada” (2 Tm 4.6-8).

6 – Esta paz é conservada pela nossa confiança inabalável em Deus - "Tu, Senhor, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti.” (Is 26.3)

Como posso sentir a paz de Deus inundando todo o meu ser quando as preocupações nos rodeiam, a ansiedade toma conta do nosso coração, e o medo vive diariamente ao nosso lado? A resposta é a confiança. A paz verdadeira vem da confiança no único Deus, criador e sustentador da vida. Para que a paz de Deus tome conta da minha vida nos momentos mais difíceis, é necessário que eu confie Nele. Ainda que eu esteja atravessando o vale da sombra da morte tenho que crer e confiar que Ele está ali comigo atravessando o vale.

Paz perfeita não é viver em um lar sem barulho, sem brigas, sem problema algum. Paz perfeita é aquela que vem de Deus e chega até nós independente das circunstâncias. Paz perfeita é aquela que mesmo nos encontrando no meio de uma grande tempestade, nós a sentimos.

OS BENEFÍCIOS DA PAZ DE CRISTO

A)     Age como Juiz em nosso coração - “Seja a paz de Cristo o árbitro em vosso coração, à qual, também, fostes chamados em um só corpo; e sede agradecidos”. (Cl 3.15)

Esta paz interior é como uma campainha que soa quando alguma coisa não vai bem em nosso coração. Por isso, em todas as nossas decisões precisamos desta paz para nos dizer se está tudo certo ou não. É necessário também que você não confunda sentimento e emoções com paz interior. Paz interior é uma certeza em nosso espírito que soa como uma campainha em nosso coração, e sentimento e emoções são particularidades da alma.

B)     Guarda nosso coração e mente em Cristo Jesus - “E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus”. (Fp 4.7)

A palavra grega “frourein” é um termo militar para estar em guarda. Assim, “guardar” traz a idéia de uma sentinela, um soldado na torre de vigia, protegendo a cidade. A paz de Deus é como um exército protegendo-nos dos problemas externos e dos temores internos. Paulo diz que essa paz guarda nossos corações e nossas mentes de sentimentos errados, de pensamentos errados, e de emoções destrutivas. William Hendriksen comentando este texto escreve: “Os filipenses estavam acostumados a ver as sentinelas romanas montarem guarda. Assim também, e num sentido muito mais profundo, a paz de Deus montará guarda à porta do coração e da nossa mente. Ela impedirá que a angústia, o medo, a ansiedade e todo e qualquer sentimento e pensamento ruim corrompa o nosso coração e a nossa mente.

C)     Ela nos acompanha sempre - “Em paz me deito e logo pego no sono, porque, Senhor, só tu me fazes repousar seguro”. (Sl 4.8).      


Hoje você pode obter essa paz, basta você colocar a sua fé em Cristo, confiar nele de todo o seu coração, e descansar em suas promessas reveladas por sua Palavra!


Com razão afirmou Santo Agostinho sobre a Paz: “ela um bem tão nobre que, ainda quando considerada apenas sob o ponto de vista terreno, "habitualmente nada se ouve com maior complacência, nada se deseja de mais atraente, enfim, nada se consegue de mais belo".
O maior propósito da paz do Senhor

Quando o homem se submete aos desígnios de Deus, ele se torna equilibrado e fortalecido por uma das maiores virtudes que Deus pode compartilhar com a alma humana, A PAZ. E estando repleto desta paz, em conseqüência disso, ele acaba por pacificar tudo ao seu redor.  Jesus foi bem claro em suas bem-aventuranças quando disse em (Mt 5.9): “Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus”. Somente podemos pacificar com a paz com que fomos pacificados. Ser pacificador sem a paz de Cristo se torna uma missão um tanto quanto sem fundamento e sujeito as falhas. Mas ser pacificador com a paz de Cristo tanto nos elogia quanto nos torna em filhos de Deus. Se o homem busca a paz, que ele a encontre em Cristo, assim aonde ele estiver ele levará esta paz, e com isso o mundo será melhor, pois a vida espiritual do homem será melhor.

“Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as portas da casa onde estavam os discípulos com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz  seja convosco!” (Jo 20.19)

Jesus sempre está entre nós, dizendo: “paz seja convosco”!

Pr. Flavio Muniz



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conteúdo de qualidade

Palavra de Nova Vida - Pr. Flavio Muniz

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...