segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Porque os crentes se afastam da igreja? Parte 1

“Vós corríeis bem; Quem vos impediu de continuardes a obedecer à verdade?” (Gl 5.7)

Não é de hoje que ouvimos o testemunho (tristemunho) de pessoas que abandonaram a fé, abandonaram a Deus, desistiram de seguir com firmeza o testemunho de sua santa Palavra. Tanto o antigo como o novo testamento relatam a triste realidade do que hoje temos visto, ou seja, uma grande apostasia, muitos chamados crentes abandonando Deus, a fé, e a Palavra.
Caim se tornou um fugitivo pelo pecado que cometeu contra seu irmão, e andou errante pela terra, apesar da proteção de Deus sobre sua vida. Diversos reis apostataram da fé por diversos motivos, movidos pela presunção e a soberba. Dentre eles o primeiro rei de Israel, Saul que se afastou por completo de Deus por não saber obedecê-lo em todos os seus caminhos. A bíblia chega a relatar a terrível apostasia e mau exemplo de sacerdotes, tais como Hofini e Finéias filhos de Eli. Homens que eram tidos por Deus como filhos de Belial. Eles não se importavam com o Senhor, roubavam a oferta do povo, se prostituíam com mulheres a porta da tenda da congregação, eram mal falados pelo povo, faziam povo de Israel pecar, e por isso o pecado desses moços era muito grande diante do Senhor. O fim deles foi uma morte trágica sob juízo de Deus. A bíblia também relata profetas ungidos pelo Senhor que se afastaram de seus propósitos, e abandonaram a fé, tais como:  Balaão que era mercenário, e se não fosse a autoridade e mão forte do altíssimo, ele teria amaldiçoado o próprio povo a quem Deus abençoava. E Jonas, o profeta fujão, aquele que não quis fazer a vontade do Senhor em pregar e converter niníve de sua grande maldade, e só o fez porque o Senhor o convenceu por meio de um naufrágio que sua decisão era insensata e covarde.

O que falar ainda dos anônimos discípulos de Jesus que o abandonaram depois daquele famoso sermão em cafarnaum (João 6). Todos tinham se fartado com pães, Jesus atravessa o mar da Galiléia, e muitos vão atrás dele pelo pão e não por ele. E aí Jesus prega pra eles, e no ápice do seu sermão, diz que ele é o verdadeiro pão que desce do céu, o pão da vida, e que quem se alimentar e beber dele tem a vida eterna. Diante disso muitos disseram: “duro é este discurso, quem pode ouvir? Então (Jo 6.66) nos diz: “À vista disso, muitos dos seus discípulos o abandonaram e já não andavam com ele”. Poderia ainda citar Fígelo e Hermógenes que ao que parece eram líderes cristãos na Ásia que abandonaram a Saulo e a Deus e abraçaram o mitraísmo. Outro que abandonou Deus e Paulo, foi Demas, dando o mau testemunho de trocar os propósitos de Deus pelos fascínios deste mundo caído.

E por último citamos Judas Iscariotes, aquele que por pretenções malignas, políticas e vaidosas, traiu sangue inocente, foi desmascarado por Jesus antes mesmo de o trair, trouxe sobre si condenação, apostatando por completo da fé, sem contudo regressar pelo arrependimento que não alcançou, e aí todos nós conhecemos o fim que ele teve.

Diante de tantos episódios bíblicos de abandono, afastamento e apostasia da fé, muitos se perguntam: “Como pode o crente fulano de tal ter se afastado? E ciclano, amava a Deus, congregava conosco, era muito usado por Deus, como pode se afastar? O que está acontecendo com a igreja neste presente século? Como muitos estão abandonando a fé, já que Jesus é o autor e o próprio consumador da fé e do amém de muitos? Porque nossa irmandade se afasta, abandona e se volta contra a fé?

A exortação do Ap.Paulo aos crentes da galácia vem a calhar no contexto em que hoje estamos vivendo enquanto igreja do Senhor. Ele diz: “Vós corríeis bem; Quem vos impediu de continuardes a obedecer à verdade?” (ARA)

Os crentes da Galácia a princípio receberam o evangelho com grande alegria e confiança, porém com o passar dos tempos eles foram se esfriando e isso foi dando brechas para grandes problemas doutrinários entre eles. E no caso deles, o maior problema da Igreja era os judaizantes, judeus convertidos que tentavam convencer os Gálatas de que o evangelho de Jesus Cristo para ser prefeito teria de ser submetido ao crivo da Lei de Moisés e manter em vigor algumas práticas do judaísmo, principalmente a circuncisão. Paulo ao saber disso fica tão furioso que os chama de falsos irmãos que se entremeteram com o fim de espreitar a liberdade de todos em Cristo para a volta a escravidão da Lei (Gl 2.4). E aqui em Galátas 5 defendendo nossa liberdade em Cristo através do Evangelho, ele os questiona com perplexidade, olha vocês estavam correndo bem a carreira proposta. Estavam vivendo corretamente em Cristo, o que aconteceu que vocês não mais querem seguir e viver a verdade que é Cristo? Ele ainda diz, não foi Deus o autor disso aí. Esta persuasão (convicção) não vem daquele que chamou vocês a salvação. (vs 8).  Ora, se não foi Deus, aquele que vos persuade a apostasia soferá a condenção, e tomara que esses tais que os levam a rebeldia contra Deus se mutilem. (vs 10,12).

No contexto de Paulo e da igreja da galácia, os judaizantes levavam muitos a apostasia da fé. E hoje o que tem levado os cristãos a se desviarem do caminho, abandonando a fé, e desistindo de Deus e sua Palavra. Eu quero apontar aqui pelo menos três motivos principais, e se Deus me permitir apresento outros motivos em ocasião futura:

1- Eles se afastam porque não experimentaram uma verdadeira conversão!

Irmãos a verdadeira conversão, passa pela experiência inequívoca do novo nascimento que é vindo de Deus, porém inclui nossa responsabilidade em nos arrepender e crer para a salvação, assumindo uma posição em Cristo, de viver uma nova vida em obediência e submissão a Ele. Sem isso, não há conversão verdadeira. É isso que a Bíblia nos ensina:


“Perguntou-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre materno e nascer segunda vez? Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus”. (Jo 3.4-5)

“Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados”. (At 3.19 – discurso de Pedro no templo depois da cura do coxo).

“E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas.” (2Co 5.17)

Em Mateus 13 Jesus nos conta a parábola do semeador, e nos fala sobre quatro tipos de sementes que o semeador saiu a semear, e dentre elas ele fala da que foi semeada em solo rochoso, não era profunda, por isso ao nascer, o sol a queimou porque não tinha raiz, secou-se. Jesus mesmo nos explica: “O que foi semeado em terreno rochoso é o que ouve a palavra, e a recebe imediatamente, com alegria. Mas não tem raiz em si mesmo, antes é de pouca duração. Chegada a angústia e a perseguição por causa da palavra, logo se escandaliza”, ou seja, se afasta, abandona a fé.

Quantos não estão abandonando a fé porque na realidade jamais abraçaram a fé, sempre foram crentes nominais, nunca criaram raízes profundas com Deus. Nunca apresentaram suas credenciais de um cristão verdadeiro. E por terem uma raíz superficial, jamais se firmaram na verdade ou desenvolveram a salvação que obtiveram com temor e tremor como nos diz a bíblia. Ao se depararem com o fogo das lutas diárias, das aflições, das provações, ou até mesmo das perseguições rotineiras da fé, esses se desviam. São como sementes que se secam ao se depararem com o calor do sol, o calor do fogo.

Quem recebe a Cristo e vive com Cristo, deve andar assim como ele andou. Como disse Paulo aos colossenses (2.6-7): “Nele radicados, edificados, e confirmados na fé, tal como fostes intruídos, crescendo em ações de graças”.

2 - Eles se afastam porque não vigiam e oram, caindo em tentação e em laços.

Muitos cristãos professos infelizmente por uma fraqueza pessoal, ou até mesmo por cederem perversamente aos fascínios do mundo, da carne ou do diabo, não praticam o ensinamento bíblico, que é a regra áurea para nos mantermos incontaminados com o mundo, que justamente é vigiar e orar. Estar em vigilância, em alerta, e orando sem cessar, em todo tempo.

Jesus certa vez advertiu seus discípulos por causa da insistência em dormir num momento em que deveriam estar vigiando em oração: “E, voltando para os discípulos, achou-os dormindo; e disse a Pedro: Então, nem uma hora pudestes vós vigiar comigo? vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca. (Mt 26.40-41)

Jesus nos ensinou na oração dominical: “e não nos deixes cair em tentação; mas livra-nos do mal [pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre. Amém]! (Mateus 6:13).

Sabe irmãos, Tiago nos revela em (Tg 1.13-15) que Deus a ninguém tenta porque não pode ser tentado para o mal, e que nós somos tentados pela nossa própria cobiça, que nos atrai e seduz para consumarmos o pecado,  e sermos levados a morte por ele.

Ouça, o pecado começa na fagulha da cobiça, e se espalha pelos ventos da atração e sedução, e quando nos damos conta um grande incêndio pecaminoso está à vista de todos.

Quer um conselho sincero e bíblico, aborte o pecado da sua vida, lute até o sangue, resista até o fim. Vigie, ore, não abaixe a guarda quando estiver sendo seduzido. Pratique um aborto lícito nesta situação que você está vivendo. Não se deixe levar pelas coirmãs atração e sedução. Elas trabalham em conjunto, sabem fascinar, são astutas, não desistem facilmente, de seus lábios saem favos de mel, seus conselhos são mais suaves do que o azeite, mas o fim que produz é amargoso como o absinto. Elas conduzem á morte, ao inferno, e não terá piedade dos que com elas caminham de mãos dadas.

Não caia em tentação e em laços, pois isso pode lhe prender como uma corda em um nó bem entrelaçado, e pode ser que dele você jamais consiga sair. Assim foi com o profano Esaú, que jamais encontrou lugar de arrependimento, ainda que com lágrimas o tivesse buscado. O pecado é um engano, é um erro, é transgressão, é inimizade com Deus, são muros de rebelião e independência que não agradam a Deus. Não se afaste da fé, se apegue mais a Deus, resista ao diabo, ao mundo e a carne. E ainda que você sofra por obter boa consciência com Deus, ainda que as pessoas debochem de seus comportamentos, postura e fé, você estará guardado sob as mãos daquele que o lavou, remiu, santificou e que um dia irá lhe glorificar em sua volta.

O pecado é como o câncer: destrói pouco a pouco. Lentamente, sem que nos apercebamos de sua insidiosa presença, ele vai-se alastrando, até que por fim o diagnóstico final é pronunciado: “Doente, à morte.” (Billy Graham)

3 - Eles se afastam porque são vítimas de escândalos.

Em Mateus 18:7-9 Jesus faz severas advertências contra aqueles que trariam grande prejuízo a cristandade em geral. Aqui Jesus ao mesmo tempo que adverte, ele profetiza que os escândalos infelizmente aconteceriam porque são inevitáveis. Porém, segundo Cristo um juízo é trazido pelo promovedor do escândalo. Neste tempo que temos vivido, sem dúvida nenhuma mostra o cumprimento desta profecia, talvez como nunca tenha acontecido.

Porém, nós precisamos entender que existem pelo menos duas formas dos escândalos virem ao mundo, primeiro pelo próprio agente do escândalo, e segundo pelos noticiadores do escândalo. Vamos dar um exemplo disso:

Quando Noé trouxe escândalo para sua família se embriagando e mostrando sua nudez dentro da tenda (Gn 9.20-29), um de seus filhos (Cam) fez expor ainda mais a vergonha do pai contando para seus dois irmãos (Sem e Jafé). Esses por sua vez preferiram encobrir a nudez do Pai, e nem mesmo quiseram vê-la. Aqui está registrado o agente do escândalo (Noé), e um noticiador do escândalo (Cam).

Entenda queridos, os escândalos por si só já são danosos a pessoa que cometeu, a igreja e ao testemunho do Senhor, porque é que vamos servir de divulgadores dos escândalos alheios. O grande interessado nisso é o mundo e Satanás, que se delicia em ver os valentes do Senhor caírem no campo de batalha atingidos por flechas malignas, e ainda terem a derrota exposta ainda mais. Ao contemplarmos um escândalo deveríamos lamentar e chorar, porque não há benefício algum na queda de um filho de Deus, além do mais quando um soldado cai na batalha guerreando as guerras do Senhor, é o seu próprio exército que sofre a baixa.

Se os escândalos virão à tona de qualquer jeito, que não venham através de mim. Que o Senhor me livre de ser escândalo, mas que também me livre de expor os escândalos ao mundo cujo príncipe é o Diabo. Pois ambos são pedras de tropeço. O Diabo já tem munição demais para atirar contra o povo de Deus; Não é necessário que eu lhe forneça mais.

Porém, eu não estou dizendo que devemos concordar, tolerar, ou admitir o pecado do escandaloso, pois se Jesus não tolerou o pecado das igrejas da ásia menor, nós precisamos copiar o seu modelo. Porém Jesus também por amor e graça sempre as advertia para chama-las ao arrependimento, e isto é o que devemos fazer também sempre baseados no amor e no cuidado inerentes a prática cristã. Também não estou dizendo que não devemos defender a fé ao ver os abusos que são cometidos por diversos seguimentos que se dizendo cristãos têm feito desviar a muitos do caminho da verdade e do santo Evangelho.

Pedro nos diz em (1 Pe 4.17). Porque a ocasião de começar o juízo pela casa de Deus é chegada; ora, se primeiro vem por nós, qual será o fim daqueles que não obedecem ao evangelho de Deus?

Muitos neófitos tem sido vítimas daqueles que os escandalizam. No entanto, muitos maduros na fé ao lidarem com os escândalos, tem assumido uma postura de infantilidade. E além disso, por não saberem lidar com a liberdade que Cristo conquistou para nós na cruz, estes infelizmente tem servido de escândalos para muitos dentro e fora da igreja. O que faz com que os neófitos (inexperientes na fé) venham a se desviar.  

Todos nós deveríamos saber ocupar o nosso devido lugar, neste edifício espiritual que chamamos de igreja, e não colocarmos obstáculos aos novos convertidos, aos débeis na fé, e ao Evangelho do Senhor.

Cuidemos para não nos afastar da fé, para esfriarmos demasiadamente. Cuidemos para que não sirvamos de escândalo e tropeço ao nosso irmão. “A fé que tens, tem-na para ti mesmo perante Deus. Bem-aventurado é aquele que não se condena naquilo que aprova” (Rm 14.22)

"Quando os membros de nossas igrejas demonstrarem o fruto de verdadeira piedade, imediatamente encontraremos pessoas perguntando qual a árvore que produz esse fruto". (Spurgeon)

A Bíblia diz (Hb 5.7) que as orações de Jesus eram respondidas por causa de sua piedade:   “Ele, Jesus, nos dias da sua carne, tendo oferecido, com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas a quem o podia livrar da morte e tendo sido ouvido por causa da sua piedade”.

Que nossa piedade produza frutos e testemunhos abundantes para o reino de Deus.

Que Deus nos ajude a sermos uma igreja que viva uma conversão sincera e devotada a Deus. Que Deus nos ajude a resistirmos ao diabo e a não cairmos em laços e tentações. E que Deus nos ajude a não escandalizarmos a fé de outros.

Bendito seja o Evangelho,

Pr. Flavio Muniz


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conteúdo de qualidade

Palavra de Nova Vida - Pr. Flavio Muniz

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...