quarta-feira, 13 de outubro de 2010

A hora de te encontrar - parte 1

"...prepara-te , ó Israel, para te encontrares com o teu Deus" (Am 4.12b)


Muitas coisas tem o poder de nos fascinar e de nos cativar o coração. Há pessoas por exemplo que gostam de ter como hobby o colecionar carros, canetas, latas antigas e etc... Há pessoas que gostam de preservar a história de sua vida, de sua cidade e de seu país possuindo um acervo pessoal de fotos, jornais etc... Há pessoas que são fascinadas por roupas, carros, bichos, bebida, etc..


E essas coisas apesar de nos impulsionarem para uma auto-realização, sonhos concretizados e satisfação garantida. Elas nem de longe se comparam com o prazer de gozar da presença de Deus, de estar na presença de Deus, de buscar o encontrar-se com Deus.

Veja bem irmãos, eu não estou dizendo que fazer isso seja ruim, ou seja pecado. Eu estou querendo que você entenda que existem coisas que priorizamos que tomam o nosso tempo, fascinam os nossos olhos, cativam o nosso coração, que nos levam a um gozo interior, porém não é a presença de Deus, a Glória de Deus, as coisas de Deus! Na verdade são nossos desejos pessoais.

É bem verdade que devemos ter sonhos, precisamos sonhar. Devemos ter planos e objetivos a conquistar. Devemos nos auto-realizar profissionalmente, sentimentalmente etc. Mas desejar Deus, encontrar-se com Deus, estar com Deus, fazer as coisas de Deus, deve ser o pão nosso de cada dia, deve ser o que nos leva as lágrimas, deve ser o nosso objetivo primário de vida. Entendeu diga amém!

E na Bíblia eu encontro diversos personagens que tinham muito o que fazer, que tinham sonhos, objetivos, mas que não abriam mão do relacionamento íntimo e contínuo com Deus:

1) A Bíblia me mostra Abel (homem justísssimo e pastor de ovelhas)(Gn 4.1-5)

A bíblia nos diz que ele e seu irmão se apresentaram diante do Senhor para trazerem uma oferta. Caim era lavrador e ofereceu algo que Deus não se agradou, porque não foi das primícias e sim do que restava do fruto da terra. Mas Abel não, ele trouxe uma oferta das primícias do seu rebanho e Deus se agradou dele e de sua oferta.

Caim ofereceu o que tinha como fruto do seu penoso trabalho, Abel também. Caim ofereceu o que tinha como forma de renda, Abel também.

Mas sabe qual foi a grande diferença: Caim gostava do que fazia, tinha objetivos, planos etc.. mais estava mais preso ao que tinha e aos objetivos que tinha, e por isso  ofertou por ofertar. Abel não. Abel, ofertou pelo prazer de ofertar e de prestar culto a Deus com todo o seu coração. Abel gostava do que fazia, amava o rebanho que tinha, porém quando soube que iria se encontrar com Deus, ele pegou a ovelha mais bonita, mais robusta, a mais amada e Deu. Sem colocar condições, sem fazer observações, ou murmurações. Ele queria fazer aquilo pelo simples fato de ser uma oportunidade de estar com Deus. A diferença não estava na qualidade da oferta e sim na motivação do coração no momento da oferta.

O que temos nós ofertado ao Senhor? E qual é a motivação de ofertarmos?

Temos ofertado a nossa vida, dinheiro, bens, o nosso serviço, tudo bem. Mas qual é a motivação em ofertarmos? È porque temos que fazer?, ou porque é um grande prazer e deleite pra nós e queremos agradar a Deus.

2) A Bíblia me mostra Abraão (Pai de uma multidão) (Gn 12.1-4)

Abraão nasceu em Ur dos caldeus e filho de Tera, casou com Sara. Em Gn 12 ele é chamado por Deus para largar a sua terra a sua parentela e ir para uma terra que desconhecida, confiando que esse Deus que o chamou iria levá-lo até lá. Que coisa louca, irmãos!

Um homem que vivia as margens do rio Eufrates (importante para a subsistência e riqueza), com posses e bens, gozava de boa estabilidade, tinha um pai atencioso que o levava a outras cidades para viajar. A nação de Ur era totalmente idólatra, ele tinha muitos deuses para adorar, estava tudo aparentemente muito bem! Abrão era realizado no matrimônio, na família, na sociedade era bem visto, sua espiritualidade era boa, além de que ele já estava na 3ª idade com 75 anos. Abrão não tinha motivos para seguir a essa suposta voz de “Deus” e ir de encontro ao desconhecido. Mais ele foi! Sabe porque ele foi?

Porque Abraão foi sensível a voz de Deus e o reconheceu como Deus. Quando Deus se revela a Abraão, eu penso que ele ficou sem chão, aquela voz era diferente dos deuses que ele adorava em Ur, era muito diferente. Aquela voz era no seu íntimo, mexia com suas emoções, suas estruturas internas. Seu espírito foi aguçado ao ponto dele dizer sim, eu vou Senhor!

Quando Deus nos chama sua voz é inconfundível e até mesmo o seu sussurro se torna em grande estrondo em nossos corações.

Se o Senhor disse que de mim fará uma grande nação, me abençoará, me engrandecerá o nome, então eu vou, vou ser uma benção para todos os povos. Abraão não aceitou a chamada por interesse, ou por vantagem alguma, ele aceitou porque foi o seu criador que o chamou, o seu Senhor que o chamou! Só isso!

O que Deus tem te chamado para fazer? Você está muito ocupado? Você está com muitos projetos? Falta de tempo? E se a voz de Deus ecoar como um estrondo em seu coração? Qual vai ser a sua resposta?

continua...

Pr. Flavio Muniz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conteúdo de qualidade

Palavra de Nova Vida - Pr. Flavio Muniz

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...